20.2 C
Brasil
14 de outubro de 2019
Destaques Logística

6 fatos que revolucionaram a logística nos últimos 10 anos

Ao ler esse texto no Blog do Prepara Cursos, achei interessante repostar para refletir sobre o impacto da tecnologia na logística. O texto publicado sem nome do autor, presume-se que seja escrito por uma pessoa da geração Z, ou seja, a geração do futuro da logística. Começa assim: Dez anos é um período suficiente para a tecnologia evoluir tanto que não conseguimos mais lembrar como era viver sem ela.

Coisas básicas do nosso dia a dia ficaram mais fáceis de se fazer com simples toques nos celulares. Você percebeu o que mudou? Se lembra como era viver sem internet, smartphones e aplicativos? Se não, reunimos seis fatos para refrescar a sua memória e mostrar como a tecnologia mudou a nossa realidade nessa última década e, consequentemente, revolucionou a logística de tudo o que fazemos, consumimos ou executamos. Confira!

Passamos mais tempo conectados à internet 

Há 10 anos a internet não era um centro de entretenimento como hoje, mas uma ferramenta para usar no trabalho ou para estudar. Navegava-se o mínimo possível para conseguir fazer o que realmente era necessário. Nos dias de hoje, com planos de dados e redes Wi-Fi gratuitas e públicas, é possível ficar o dia todo conectado, seja trabalhando, estudando ou só navegando pelos sites: fazendo compras, assistindo a filmes e vídeos ou entrando em contato com amigos e familiares. É possível fazer de tudo no mundo on-line! Nem sabemos mais como viver se não estivermos conectados ou com sinal do celular, não é mesmo? Isso mudou radicalmente o conceito de logística. Observem!

Vemos mais filmes em casa 

Estamos vivendo a era do streaming de filmes e séries, como com a Netflix e a HBO Go, plataformas pagas que possuem um catálogo variado com produções de vários gêneros e de diferentes anos. Na TV e nos streamings, vemos a maior parte da inovação em mídia audiovisual. Há 10 anos tínhamos que ir ao cinema ver os lançamentos ou nas locadoras de fitas ou DVD para assistir aos filmes desejados. Hoje em dia, as produções estão disponíveis on-line ou em programas para fazer o download. Também existem os serviços que oferecem filmes por um preço de “locação virtual”. É possível alugar um filme sem correr o risco de não ter mais nenhuma cópia do que você queria assistir. 

Ouvimos música sem precisar fazer download 

Hoje em dia, com programas como Spotify, Deezer ou mesmo pelo YouTube, conseguimos ouvir músicas, criar playlists e descobrir novos artistas de forma simples e rápida. Podemos usar essas plataformas nos computadores ou como aplicativos nos smartphones. Não existe mais aquele trabalho de procurar a música em plataformas não confiáveis, nem de esperar um longo tempo para fazer o download ou sair de casa para comprar o CD, nem ter o risco de baixar vírus nas máquinas. Cada download era uma surpresa…

Todo mundo tem um smartphone

Em 2009, os smartphones estavam deixando de ser apenas ideias. O telefone fixo ainda era mais usado, havia orelhões nas ruas e o celular ainda era algo de luxo, sem nada de smart comparado aos aparelhos atuais. Com os lançamentos da Apple e Samsung, os smartphones viraram um artigo de sobrevivência para trabalhar e realizar tarefas simples do dia a dia, como organizar listas, anotar lembretes, usar o GPS, pedir comida e transporte… Os celulares servem para tudo; quase não fazemos mais ligações por nos comunicarmos por mensagens e outros tipos de interações pelas redes sociais. Inclusive temos um aplicativo para cada rede. 

O que mudou com os smartphones também foi o fato de não precisarmos sair com uma câmera fotográfica ou até mesmo ter uma. As câmeras dos smartphones são de alta qualidade e estão conosco para onde formos, assim não temos o risco de deixar de registrar um momento especial em foto ou vídeo. Além disso, os smartphones já permitem salvar as fotos em nuvem e compartilhar nas redes sociais rapidamente. 

Pedimos comida, transporte e compramos por aplicativos 

Como dissemos no tópico acima, hoje em dia pedimos comida e fazemos compras de supermercado por meio de aplicativos, ainda mais por sempre termos menos tempo para fazer as coisas que são básicas para a vida. Assim, não pegamos filas e nem perdemos tempo cozinhando, pois tudo já chega pronto até nós. Além de comidas, compramos inúmeros artigos on-line, por isso muitas lojas tiveram que se adaptar para sites. As lojas on-line reduziram os custos e aumentaram os clientes por oferecerem mais variedade e preços mais baixos. 

Outro hábito que adquirimos rapidamente foi usar os transportes por aplicativo, como Uber e 99. Com preços mais acessíveis do que táxis e oferecendo mais conforto do que no transporte público, hoje são aplicativos comuns nos smartphones. E tudo facilita o uso desses transportes: as pessoas não investem mais em carros pelo alto custo e pelo fato de as cidades estarem saturadas de veículos. E é fácil para o motorista saber o caminho até o seu destino usando aplicativos de GPS, como Waze. 

Não carregamos mais livros 

Quem ama ler e sempre carrega livros para todos os lugares agradece a tecnologia por facilitar a leituraNão é necessário levar mais livros pesados e grandes dentro das bolsas, pois é possível comprar um Kindle ou outros leitores de e-books, que são como tablets exclusivos para se ter acesso a livros e ocupam menos espaço e pesam menos do que um livro de 200 páginas.

Lembrou de algumas coisas que mudaram e reparou como elas estão presentes na sua vida? É incrível pensar que em uma década tanta coisa importante mudou! Agora, é aguardar para saber o que vai acontecer nos próximos 10 anos!

O texto publicado acaba aí e faz a chamada para os cursos. E por mais que tenhamos acompanhado todo esse processo de mudanças, me senti impactada ao perceber a naturalidade positiva com que as novas gerações encaram transformações radicais de valores, comportamento e hábitos que, ao meu ver, são irreversíveis.

Outro fato que me chamou a atenção foi saber que diante de tanta tecnologia, ainda há no Brasil, cerca de 45 milhões de pessoas que não têm conta em banco e, só utilizam dinheiro de papel. Não te parece um contrassenso? Há uma corrida de startups, fintechs e bancos digitais para atrair essa multidão ao novo mundo.

Espero que seja útil para você – profissional ou empresário do setor de logística – refletir sobre essa revolução e prever as tendências da próxima década!

Related posts

Coopercarga amplia operação de transporte para Brado Logística

Maria Alice Guedes

Facebook anuncia sua moeda virtual Libra

Redação Logística Brasil

Hamburg Süd e China Navigation fecham acordo sobre a venda das subsidiárias de transporte a granel

Maria Alice Guedes

Deixe seu comentário