19.5 C
Brasil
7 de dezembro de 2019
Transporte

Cargo X otimiza operações da Mira Transportes com fretes de retorno

Com a nova parceria entre a Cargo X e Mira Transportes, tradicional transportadora de carga fracionada, especializada nas regiões Centro-Oeste e Norte do Brasil, 70% dos caminhões da transportadora voltam para o ponto de origem com cargas obtidas pelo aplicativo Cargo X.

“Nós percebemos o grande desafio que os empreendedores de diferentes tamanhos no setor de transporte enfrentam e não queríamos que a Cargo X fosse mais um competidor, por isso, resolvemos ajudar essas empresas com tecnologia e dinheiro para fazer com que as operações dos transportadores crescesse cada vez mais”, continua Vega.

Entre as novas funcionalidades oferecidas pela Cargo X estão: capital de giro de 300 milhões de reais, marketplace gratuito com cargas disponíveis para transportadoras chamado de Cargo Force e tecnologias como Machine Learning e Big Data para otimizar e tornar a operação dos transportadores mais eficiente.

“As Regiões Centro-Oeste e Norte do Brasil são conhecidas pela dificuldade de encontrar fretes para retornar ao ponto de origem. Esse problema representa até 30% do valor final dos fretes praticados. Com a Cargo X, até 70% dos nossos caminhões já voltam carregados por meio dos fretes disponibilizados pela logtech, assim estamos conseguimos zerar o custo operacional de retorno”, afirma Roberto Mira, presidente da Mira Transportes.

O diferencial da Mira Transportes está em sua região de atuação: “as transportadoras preferem focar nas regiões do Brasil em que o PIB está concentrado, nós seguimos por um caminho diferente e completamos 40 anos de atuação na região. Com as novas tecnologias oferecidas pela Cargo X, agora temos como melhorar ainda mais nossos serviços prestados e estamos estudando a expansão das nossas operações para outras regiões do País”, finaliza Mira.

Related posts

Blu Logistics participa da WCA World Annual Conference

Carlo Fracalanza

Gêmeos digitais de operações de logística podem otimizar cadeia de suprimentos

Maria Alice Guedes

Logística Just in Time segue como estratégia no varejo

Ronaldo Lemes

Deixe seu comentário