29.6 C
Brasil
8 de abril de 2020
Destaques Tecnologia

Thales lança nova plataforma para detectar ciberataques mais complexos

A Thales Group, empresa francesa e líder global em soluções de segurança cibernética para as indústrias aeroespacial, de defesa e de segurança, transportes e setor bancário, desenvolveu uma solução abrangente de detecção de ataques chamada Cybels Analytics, que reduz significativamente, o tempo necessário para detectar ameaças avançadas persistentes.

A plataforma inovadora combina detecção de ameaças em tempo real com base na análise de ameaças existentes (Inteligência de Ameaças Cibernéticas) e pesquisa proativa de ataques cibernéticos avançados e inéditos (investigação “fria” ou busca), graças à inteligência artificial e aos módulos de visualização gráfica.

Essas capacidades reduzem significativamente o tempo necessário para detectar ameaças avançadas persistentes, de três meses ou mais para uma média de apenas alguns dias, de acordo com os resultados dos testes.

Com o uso de algoritmos de aprendizado de máquina, desenvolvidos pela Thales, para detectar situações anormais com base em grandes volumes de dados heterogêneos, originados de diversas fontes como dados de rede, análise de end point, OT logging, a Cybels Analytics ajuda a identificar padrões de ataque e descobrir ameaças anteriormente desconhecidas.

Esses algoritmos podem ser adaptados às necessidades específicas de cada negócio pelos próprios clientes por meio de uma interface gráfica fácil de usar.

Laurent Maury, Vice-Presidente, Segurança Cibernética e Sistemas de Informações Críticos (Thales)

A Cybels Analytics pode ser integrada a um Centro de Operações de Segurança (SOC), por exemplo, ou fornecido como um serviço na nuvem, permitindo que todos os sistemas de detecção do usuário (SIEM, EDR, NIDS etc.) trabalhem juntos e se complementem.

Segundo Laurent Maury, Vice-Presidente de Segurança Cibernética da Thales, “ao referenciar informações cruzadas sobre ameaças cibernéticas existentes com os registros do sistema de uma organização, é possível garantir uma detecção mais apurada e exaustiva dos ataques não identificados, revelando três vezes mais indicadores de detecção de comprometimento do que os produtos convencionais de detecção de ataques”, afirma.

O executivo explica que a integração de todo o ecossistema de detecção de ameaças na mesma plataforma, aprimora os recursos de detecção do cliente, ao mesmo tempo em que simplifica o processo para os usuários.

Na adaptação da plataforma ao ambiente específico de cada setor de atividade, os módulos de visualização de dados permitem que os usuários executem suas próprias pesquisas com facilidade, identifiquem qualquer anomalia rapidamente e economizem tempo na etapa de investigação.

A plataforma funciona como solução de análise de registros que aprende automaticamente com a experiência, permitindo que os clientes melhorem a eficácia operacional de seus esforços para detectar novas ameaças e adaptar suas defesas cibernéticas a seus ambientes operacionais específicos.

A solução, diz Mauri, veio para ajudar os analistas de segurança cibernética a superar os desafios enfrentados diariamente. “Com os volumes crescentes de dados e o longo tempo perdido durante a detecção de ataques e procedimentos de investigação, os clientes precisam de resultados mais eficientes para que possam se concentrar em tarefas de maior valor agregado em uma área onde o talento é escasso e as necessidades estão constantemente aumentando”, afirma.

O Grupo vem investindo fortemente em conectividade, Big Data, inteligência artificial e cibersegurança –, tecnologias que apoiam negócios, organizações e governos. No final de 2017, a francesa Thales SA comprou a fabricante de chips holandesa Gemalto NV por 4,8 bilhões de euros (US$ 5,64 bilhões) Com 80 mil funcionários em 68 países, a companhia gerou receitas de € 19 bilhões em 2018, incluindo a Gemalto.

Related posts

Goodyear aprimora tecnologia de pneus em projeto espacial

Redação Logística Brasil

Autopeças Randon levam tecnologia e inovação à Automec 2019

Maria Alice Guedes

Curitiba quer voltar a ser ícone mundial de mobilidade urbana

Maria Alice Guedes

Deixe seu comentário